Deus Rejeita Saul Como Rei de Israel

Imagem
Atribuição: Ernst Josephson, Public domain, via Wikimedia Commons Deus Rejeita Saul Como Rei de Israel Israel saiu do sistema de governo teocrático para o monárquico. O primeiro rei foi Saul, ele teve um início brilhante, todavia a rebeldia invadiu o coração de Saul e Deus o rejeitou como rei. Neste blog há informações que relatam desde os tempos dos juízes até Samuel, o último juiz. Quem era Saul? Saul da tribo de Benjamim, filho de Quis, seu nome tem origem no nome hebraico Chaul, derivado do verbo cha’al, que quer dizer “pediu, solicitou, orou por”. Também era o nome original em hebraico do apóstolo Paulo.  Os filhos de Saul eram: Jonatas, Isvi e Malquisua. As filhas: Merebe e Mical, mais nova. Sua mulher chamava-se Ainoã, filha de Aimaãs. O comandante do exército de Saul era Abner, filho de Ner, seu tio. Como Saul se Tornou Rei de Israel Para conhecer a história de Saul precisamos saber como ele se tornou rei de Israel.  Samuel foi sacerdote e juiz, ele liderou Israel sob a orienta

Uma Luz Transformadora

Paisagem com sol no meio das arvores

Uma Luz Transformadora


Uma luz transformadora que converte a maldade em bondade, a injustiça em justiça, e um coração que não se arrepende em um coração arrependido.


Alguns personagens bíblicos, que se destacaram no Antigo Testamento, tiveram a sua importância no plano de Salvação elaborado por Deus. Já sabemos que Adão e Eva foram expulsos do Éden por desobediência, e que a humanidade distanciou-se de Deus.



O Plano de Deus


Com a multiplicação do homem sobre a terra, a maldade, a depravação e a desobediência levou Deus a destruir a humanidade, pois Ele se arrependeu de ter criado o homem, contudo um justo chamou a atenção de Deus.



Noé, o único justo, e a sua família foram salvos da ira de Deus. Os três filhos: Sem, Cam e Jafé com as suas esposas procriaram e povoaram a terra após o dilúvio. A linhagem de Sem foi de grande importância, pois dela veio o Messias (Cf Lc 3.23-36).


COMPRE AQUI 👇
Livro

Os preparativos para a vinda do Salvador ganharam força com Abraão, Pai da fé; pois Deus falou a Abraão que por meio dele os povos da terra serão abençoados (Cf Gn 12.3). Com o passar dos anos, Jacó, neto de Abraão, abençoa seu filho Judá, bisneto de Abraão. Judá recebeu uma bênção profética do pai.


A profecia diz que de Judá virá a linhagem real de Israel e também o Messias (Cf Gn 49.10). É através dessa benção que Deus providenciará para que o cetro permaneça com a linhagem judaica até a vinda do Messias. A linhagem real foi cumprida com o rei Davi e a vinda do Messias também se cumpriu com Jesus.


“Disse-lhe, então, o anjo: Maria, não temas, porque achaste graça diante de Deus. E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e pôr-lhe-ás o nome de Jesus. Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai; e reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim” (Lucas 1.30-33).




A Transformação


Jesus iniciou seu ministério transformando água em vinho. Ele curou várias enfermidades, ressuscitou mortos e expulsou demônios entre outros milagres, ainda assim, os religiosos da época não creram em Jesus. Seus opositores chegaram a dizer que Ele recebia poder do chefe dos demônios para expulsar os demônios.


"E os escribas, que tinham descido de Jerusalém, diziam: Tem Belzebu, e pelo príncipe dos demônios expulsa os demônios." (Marcos 3.22).

 



Além dos opositores, Ele também foi traído por um de seus discípulos e essa traição custou-lhe a sua crucificação. Após ser crucificado, ressuscitou ao terceiro dia. Durante 40 dias, ele instruiu os seus discípulos e foi assunto aos céus.


Os discípulos de Jesus foram perseguidos e ameaçados de morte, inclusive Estevão, diácono da igreja primitiva de Jerusalém, que foi apedrejado até morrer, contudo os seguidores de Jesus não desistiram de pregar o Evangelho de Cristo.



No livro de Atos informa que ¹Saulo consentiu na morte de Estevão. E nesse dia fez-se uma grande perseguição contra a igreja que estava em Jerusalém. Esse Saulo era o terror dos cristãos, ele assolava a igreja de Cristo, entrava pelas casas e arrastava homens e mulheres encerrando-os na prisão.



A morte de Estevão e a grande perseguição que se iniciou naquele dia fez com que os crentes da congregação se espalhassem pregando o Evangelho fora de Jerusalém, todavia os apóstolos permaneceram na cidade para darem estabilidade a igreja. Os que estavam dispersos iam por toda a parte anunciando as boas novas (Cf Atos 8.1-4).




Um Caminho Sem Volta


Pomba voando no por do sol

Saulo não desistiu de perseguir os cristãos e com a autorização do sumo sacerdote partiu para uma missão: prender os cristãos. O desejo de ir para Damasco e de encontrar os cristãos nas sinagogas para prendê-los, fervia no seu coração. A crueldade de Saulo era tamanha que ele obrigava os crentes a blasfemar contra Cristo, também era persistente, pois perseguia os seguidores de Cristo até nas cidades estrangeiras (Cf Atos 9.1-2; 26.10-11).




Saulo não sabia que Jesus estava de olho nele. Posso até imaginar Jesus falando: "Esse é um dos meus". Quando estava próximo de Damasco, quase ao meio-dia, subitamente, um feixe de luz vindo do céu, brilhou ao redor de Saulo.



Ele relatou que caiu por terra e ouviu uma voz que dizia: "Saulo, Saulo, por que me persegues?”. Saulo quis saber quem era. O Senhor disse-lhe: "Eu sou Jesus nazareno, a quem tu persegues". (Cf Atos 22.6-8).




Os homens que estavam com Saulo ficaram espantados, Saulo também ficou atônito e não sabia o que fazer, porém Jesus Instruiu-o para ir a Damasco.



Os homens conduziram-no até Damasco, pois o efeito da luz deixou-o cego. Jesus enviou Ananias para tirar as escamas dos olhos de Saulo e orientá-lo. As escamas lhe caíram dos olhos e ele foi batizado. 




Assim que Paulo teve um encontro com Jesus, prontificou-se a servi-lo. Desde o início do seu ministério sofreu perseguição e ameaças de morte, por proclamar o nome de Jesus. Ele sentiu na pele o que é ser perseguido e sofrer por Jesus, ainda assim, não desistiu de dizer em suas pregações que Jesus Cristo é o filho de Deus.


Paulo também se considerava o menor dos apóstolos: Pois sou o menor dos apóstolos e nem sequer mereço ser chamado apóstolo, porque persegui a igreja de Deus” (1 Coríntios 15.9).



Infelizmente muitos cristãos, por qualquer coisa estão desistindo de tudo. Esse Cristo que Paulo insistiu em dizer que é o filho de Deus, é o mesmo que pode mudar a sua vida. Ele transforma um coração duro e amargurado em um coração flexível e consolado.





Conclusão


Vimos que Deus na sua onisciência preparou o caminho para a vinda do Messias e que Jesus foi questionado e muitos não creram nEle. Após a crucificação de Jesus, Os seguidores de Cristo foram perseguidos e um perseguidor feroz dos cristãos se converteu a Cristo através de uma luz transformadora.



Deus move céus e terra para nos livrar deste mundo cheio de maldade e injustiça. Ele quer nos salvar e nos dar a vida eterna. Que Deus possa iluminar a sua vida com essa luz transformadora e cheia de esperanças.



“A Nossa  Salvação

Nós recebemos uma promessa de vida eterna, mas para que essa promessa se cumpra nas nossas vidas é necessário abrirmos o nosso coração e seguirmos as orientações do Mestre. Sem medo de ser feliz e sem vergonha de confessarmos em público que o aceitamos como Senhor e Salvador das nossas vidas. É simples, não tenha vergonha de Jesus, pois Ele não terá vergonha quando nos apresentar a Deus”. Fonte: Galeria de Imagens 




Baseado na Bíblia Sagrada



Por Julio Ferreira Lima



Informações
1 - Saulo era judeu nascido na cidade de Tarso da Cilicia e pertencia a tribo de Benjamim, de sangue hebreu. Foi criado em Jerusalém como aluno de Gamaliel e circuncidado no oitavo dia de vida, quanto a Lei era fariseu. (Cf Filipenses 3.5; Atos 22.3). Saulo em hebraico Shaul. Saulo tinha cidadania romana herdada de seu pai. Saulo também se chamava Paulo (Atos 13.9). O nome Paulo era um cognome de Saulo.


Referências dos textos Bíblicos:


ACF Almeida Corrigida Fiel - Bíblia Online




Referência Bibliográfica


BÍBLIA, Português. Bíblia de Estudo de Genebra. 2ª edição. Tradução de J. F. de Almeida. Edição revista e atualizada. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil (SBB); São Paulo, SP: Editora Cultura Cristã, 1999. 1728 p


Comentários

  1. Boa tarde Julio!
    Seu blog é de grandes ensinamentos, voltarei muitas vezes.

    Obrigada pela visita ao meu blog.

    Te desejo uma boa tarde de domingo, com a Benção de Deus sobre vós.
    Saudações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fatyma, também gostei muito do seu blog, voltarei sempre que tiver um tempo. Obrigado pelo carinho e pela sua participação que é muito importante. Deus abençoe grandemente!

      Excluir

Postar um comentário

Deixe o seu comentário para incentivar o nosso trabalho, será de grande valia para o crescimento do blog. Obrigado. Volte sempre.


Postagens mais visitadas deste blog

Jesus Dava Exemplos de Gratidão?

Jacó Foi Trapaceiro?

Terá, Pai de Abraão

A Consolação de Israel