Samuel e o Próprio Deus são Rejeitados

 

Gilgal
Lisens: CC BY SA 4.0


Samuel e o Próprio Deus são Rejeitados

(Complemento do artigo anterior)


Os filhos de Israel sempre foram ingratos, esquecendo-se das obras de Deus, e de todas às vezes que clamavam por socorro e eram atendidos, agora além de desprezarem Samuel, rejeitaram a soberania de Deus.




Já vimos que a mãe de Samuel, Ana, sob os cuidados de Eli, sumo sacerdote e juiz de Israel, entregou seu filho a Deus, e o menino cresceu aprendendo a Palavra de Deus.



Samuel começou seu ministério como profeta muito jovem e foi o primeiro profeta de Israel (mencionado na Bíblia - Atos 3.24) e o último juiz. Se ainda não leu o início da história de Samuel, então leia neste artigo 👉 A Fidelidade e a Santidade de Samuel.




O Início da Monarquia

Samuel exortou o povo a abandonar seus ídolos, aproximar-se mais de Deus e preparar seus corações para o Senhor, que Ele libertará Israel das mãos dos filisteus.



Samuel também convocou todo o Israel para congregar em Mizpá, ali houve arrependimento, jejum e oração, e o exército filisteu aproveitou essa reunião para surpreender os israelitas e atacá-los, mas Deus mandou trovões sobre os filisteus e eles ficaram confusos facilitando a vitória dos israelitas. Logo Israel teve paz por muito tempo.



Em sua velhice, Samuel nomeou seus filhos Joel e Abias como juízes. Eles eram juízes em Berseba, mas não andaram nos caminhos do pai; eram gananciosos, aceitavam subornos e infringiam a lei.



Todos os anciãos de Israel juntaram-se e vieram a Samuel em Ramá para reivindicarem um rei. Deram como justificativa a velhice dele e os maus exemplos dos filhos, dizendo que eles não andam nos caminhos do pai.



Os filhos de Israel queriam ser governados por um rei como as outras nações. Isso não agradou nem um pouco a Samuel, então ele orou a Deus e o Senhor disse a Samuel para atender o pedido do povo.


“E disse o Senhor a Samuel: Ouve a voz do povo em tudo quanto te dizem, pois não te têm rejeitado a ti, antes a mim me têm rejeitado, para eu não reinar sobre eles.” (1 Samuel 8.8).




Deus permite que Israel tenha um rei, porém impõe regras e ordena que Samuel advirta o povo solenemente dos direitos e das exigências do rei. Após publicar toda a lei, Samuel quis saber se ainda assim queriam um rei.



O povo estava disposto a ter um rei para imitar as outras nações e não se importou com todas as exigências que o rei faria, mesmo sabendo que iria sofrer as consequências de ter um rei e que Deus não o ouviria quando clamasse.



Samuel ungiu Saul para ser o primeiro rei de Israel, escolhido por Deus na visão humana, um homem forte, alto e de boa aparência. Não havia outro semelhante em Israel. Apesar de Deus o ter escolhido, era necessário comprovar diante do povo que ele foi realmente apontado pelo Senhor.



Então foi feito sorteio, Saul estava temeroso, afinal ser rei de Israel seria muita responsabilidade, o medo o levou a esconder-se, mas ao ser indicado pelo sorteio, não sabiam onde Saul estava, logo Samuel perguntou ao Senhor e lhe foi revelado.



Teve aqueles que levantaram dúvidas, esses são rebeldes, porque duvidaram do processo de seleção dirigido pelo Senhor (cf 1 Samuel 10.27). O rei apesar de ter os seus privilégios tinha que seguir as orientações de Deus.



A monarquia deu início a uma nova fase na história política e religiosa de Israel. Essa forma de governo há muito tempo vinha sendo almejada por muitos israelitas, eram poucos os que queriam permanecer com a teocracia. Os que desejavam um rei queriam imitar as nações vizinhas (cf Jz 3.12; 4.2; 8,5).




A Coroação

Saul saiu à peleja, e venceu Naás, príncipe dos filhos de Amom, que estava acampado em Jabes-Gileade. Os amonitas eram descendentes de Ben-Ami, filho de Ló com a filha mais nova.



Após Saul vencer os amonitas, houve celebração e o povo ficou maravilhado com Saul. Os filhos de Israel celebraram o reinado de Saul em Gilgal (cf 1 Sm 11.1-15).



Quando Saul deixou de fazer a vontade de Jeová, o Senhor tirou o Espírito Santo dele e o rei não teve paz de espírito. Samuel recebeu orientações para ungir Davi, um homem segundo o coração de Deus.



A Morte do Profeta

Todo Israel mostrou-se presente na despedida do profeta, e prantearam e o sepultaram em Ramá. Pelo relato da sua morte, a fama de Samuel durou até o fim de sua vida (cf 1 Samuel 25:1).





A Primeira Escola de Profetas

Tudo indica que Samuel organizou a Escola dos Profetas, o primeiro seminário teológico. Quando falamos de escola profética, a primeira coisa que nos vem à mente é que ela existia para ensinar o aluno a ser profeta, mas ninguém aprende a ser profeta porque a profecia é um dom de Deus, mas se não se aprende profecia o que ensinava nessa escola? Simplesmente a Palavra de Deus. Samuel não aprendeu o ofício da profecia, ele recebeu esse dom de Deus (1 Samuel 10.5; 19.20).


Conclusão


Samuel sempre foi respeitado por ser correto e justo. Ele era um homem consagrado ao Senhor e tinha muito zelo pela Palavra de Deus. 

"Se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode negar-se a si mesmo." (2 Timóteo 2.13).


Baseado na Bíblia Sagrada



Por Julio Ferreira Lima






ABREVIATURAS


cf. Conferir

Jz Juízes


Referências dos textos Bíblicos:

Almeida Corrigida Fiel - ACF (Bíblia Online)


Referência Bibliográfica

BÍBLIA, Português. Bíblia de Estudo de Genebra. 2ª edição. Tradução de J. F. de Almeida. Edição revista e atualizada. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil (SBB); São Paulo, SP: Editora Cultura Cristã, 1999. 1728 p 

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Jesus Dava Exemplos de Gratidão?

Jacó Foi Trapaceiro?

José, de Escravo a Governador do Egito

A Consolação de Israel