A Morte de Saul, Davi é Rei Sobre Israel

Imagem
Atribuição: Gerard van Honthorst, Public domain, via Wikimedia Commons A Morte de Saul, Davi é Rei Sobre Israel Davi Parte 4 Passaram-se três dias da derrota dos amalequitas, Davi estava em Ziclague, veio do arraial de Saul a Davi, um homem que se lançou no chão, e se inclinou diante de Davi. Ele disse que escapou do arraial de Israel e contou-lhe que o rei Saul o pediu para matá-lo. Ele o matou e levou a coroa e o bracelete de Saul a Davi, crendo ter feito um bem a Davi, disse ainda que Jônatas também morreu na peleja contra os filisteus. Davi chamou um dos seus moços para ferir aquele homem por ele não temer estender a mão para matar o ungido do Senhor ( cf  2 Samuel 1.14-15). Pois Davi lhe dissera: O teu sangue seja sobre a tua cabeça, porque a tua própria boca testificou contra ti, dizendo: Eu matei o ungido do Senhor (2 Samuel 1.16). Ele e seus homens rasgaram as suas vestes e prantearam a morte de Saul e Jônatas. Ele não permitiu que publicasse em Gate para que as filhas dos fil

Tamar, Uma Cananéia Justa

 

mulher-rosto-coberto-olhos-a-mostra
Ilustração de Stefan Keller (foi modificada) Fonte da foto original: KELLEPICS


Tamar, Uma Cananéia Justa

Tamar foi considerada justa por sua coragem, fé e determinação. A Bíblia é repleta de histórias que cativam a nossa fé. Jacó ou Israel foi o terceiro patriarca da Bíblia, todos os seus doze filhos deram origem ao povo de Israel. Um dos filhos de Jacó, Judá, teve uma participação importante, pois da sua descendência, Jacó profetizou que viria o Messias.



Contudo ela estava correndo riscos, pois os filhos de Judá não engravidaram a sua nora, uma cananéia. O primogênito morreu porque era mau aos olhos do Senhor, o segundo morreu, porque não queria engravidar a mulher do seu irmão falecido, pois derramava o sêmen no chão, e o terceiro filho, o pai temeu que ele também morresse e não quis dá-lo a nora.


A história dessa descendência se encontra neste artigo: "Uma Descendência Ameaçada”, nele eu falo de Judá o quarto filho de Lia com Jacó, Agora pretendo relatar com mais detalhes a história da nora de Judá uma cananeia que está incluída na genealogia de Jesus.



A história de Tamar

Seu nome é de origem hebraica “Thamar” e significa "palmeira". O rei Davi também teve uma filha e uma neta com esse nome (2 Samuel 13.1; 14.27). Tamar, a nora de Judá, teve um casamento conturbado. Ela se casou com Er, o primogênito de Judá e Deus o matou, pois ele era mau aos olhos de Deus.

Onã, o segundo filho, teve que se casar com Tamar para cumprir a lei de Moisés. Era obrigação do irmão se casar com a viúva e dar filhos para o falecido que não tinha herdeiros, os filhos dele com a viúva não são considerados seus, mas filhos e herdeiros do morto. Essa era a lei do Levirato.


"Onã, porém, sabia que tal descendência não havia de ser para ele; de modo que, toda vez que se unia à mulher de seu irmão, derramava o sêmen no chão para não dar descendência a seu irmão."
(Gênesis 38:9).


Esta tradição é mencionada no Antigo Testamento em Deuteronômio 25:5-10. Levirato vem da palavra latina Levi e quer dizer irmão do marido.

Confira na imagem abaixo o texto dessa referência
👇
Texto-lei-levirato

Vamos tentar explicar como funcionava caso o irmão recusasse casar com a cunhada: A viúva levava o caso até os anciãos, estes tentavam convencê-lo, mas se ele insistisse em não tomá-la por esposa, ela pegava uma das sandálias do cunhado na presença dos anciãos e cuspia no rosto dele e dizia: “Assim se fará ao homem que não edificar a casa de seu irmão”. Logo a família dele será vista como a casa do descalçado.


Penso que Tamar estava ansiosa para dar descendentes a Judá, foram dois casamentos frustrantes e a única esperança estava no terceiro filho dele, Selá. Todavia ela teria que esperar, pois ainda era jovem, então o pai combina com Tamar para manter a viuvez e ficar na casa do pai dela até que Selá tenha idade para se casar. É bem verdade que Judá temia que o filho viesse a morrer também.

O tempo passou e Selá já estava homem formado; como o pai estava com receio do filho morrer, não deu Selá para casar-se com Tamar. A mulher de Judá morreu; após o luto da mulher, contaram a Tamar que o sogro estava indo tosquiar as ovelhas do rebanho dele com Hira, seu amigo, em Timna.


O desejo dela era de dar descendentes para fazer parte dessa família abençoada, pois ouvia as histórias dos patriarcas e sabia da aliança de Deus com Jacó. Ao saber que Judá estava indo para Timna, ela despiu as vestes de sua viuvez, cobriu-se com um véu para disfarçar-se, sentou-se a entrada de Enaim, no caminho de Timna.



Creio que Judá ao passar na entrada de Enaim e ter visto aquela mulher sentada, a desejou e sem saber que era a sua nora, pois estava com o rosto coberto, apenas os olhos à mostra, disse-lhe que queria possuí-la, ela perguntou-lhe o que ele daria para possuí-la.


Ele disse que mandaria um cabritinho do rebanho dele. Ela pediu-lhe como garantia o selo dele com o cordão e o seu cajado. A estratégia de Tamar foi perfeita, ela ficou grávida e o desejo de fazer parte da família da promessa foi concretizado.


Após quase três meses Judá soube que Tamar estava grávida, sem saber quem a engravidou, ele ordenou que a queimasse, pois ela estava prometida para Selá, além disso, o fato de ter engravidado de outro homem era tido como adultério.



Ela foi muito decidida e corajosa, quando foram pegá-la para ser condenada à morte, ela mostrou os pertences do sogro e disse que o dono daqueles objetos foi quem a engravidou. Então, Judá, atônito, reconheceu que ela era mais justa do que ele.



Judá não coabitou mais com Tamar, ela teve gêmeos e, no parto, ocorreu uma cena fora do comum, a criança levantou o bracinho, então a parteira colocou uma fita vermelha para identificar o que saiu primeiro, no entanto o outro tomou a frente e nasceu primeiro, a parteira brincando disse que ele arrumou uma brecha e pôs o nome de Perez, porque saiu primeiro. O segundo com a fita no braço, ela o chamou de Zerá. A narrativa da história de Judá e Tamar se encontra no livro de Gênesis capítulo 38.




Conclusão

Para conquistar aquilo que desejamos, nem sempre é fácil, necessita de paciência, coragem e muita fé. Esses ingredientes não faltaram na vida de Tamar, sofreu perdas e maus tratos, pois se o primeiro marido era mau aos olhos de Deus, provavelmente maltratava a esposa, contudo ela não se curvou diante das agruras da vida, pois cria em Deus e essa fé no Deus de Israel foi a garantia da sua vitória. Ele foi o seu maior aliado e a defendeu nas horas mais difíceis de sua vida. Tamar foi honrada e teve o seu nome incluído na genealogia de Jesus, inclusive os seus dois filhos: Perez e Zerá.



“E Judá gerou, de Tamar, a Perez e a Zerá; e Perez gerou a Esrom; e Esrom gerou a Arão;” (Mt 1.3).



Baseado na Bíblia Sagrada



Por Julio Ferreira Lima






Referências dos textos Bíblicos:

Almeida Corrigida Fiel - ACF (Bíblia Online)



Referência Bibliográfica

BÍBLIA, Português. Bíblia de Estudo de Genebra. 2ª edição. Tradução de J. F. de Almeida. Edição revista e atualizada. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil (SBB); São Paulo, SP: Editora Cultura Cristã, 1999. 1728 p


Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Jesus Dava Exemplos de Gratidão?

Jacó Foi Trapaceiro?

Terá, Pai de Abraão

Débora, Uma Mulher Destemida